A estrutura da perceção

Mário Lopes

“A essência do seu trabalho focou-se em como a vida se desenvolve no tempo e espaço, a importância de outras culturas e da estrutura de relações que conectam as relações humanas, o modo como crescem e se desenvolvem ao longo da vida. Crescimento, expansão, mudança e vivência são características que definem a vida e estes temas tornaram-se o tema dos seus trabalhos, tanto que foi levado a transpor a escultura em pedra e a explorar outros media. Começou a pintar, gravar, cortar e compor papel, descobrindo todo um novo mundo de materiais, usando-os de nos modos mais diversos mas sempre mantendo o espírito e ideia de escultor."

Excerto traduzido do texto publicado no catálogo da exposição individual "Merging Aesthetics" (2013), Mimesis Art Museum, Coreia do Sul.

Biografia resumida: Mário Lopes (n. 1981) é um artista português que trabalha com escultura em pedra e madeira, pintura, gravura, tapeçaria e vidro soprado. Explora noções de crescimento, expansão, e evolução da matéria no espaço regido pela máxima “menos é mais”, simplificando o que é complexo. De Leiria, iniciou a sua formação de talha de pedra na Escola de Artes e Ofícios no Mosteiro da Batalha. Seguiu para Itália, onde se licenciou na Academia de Belas Artes de Carrara, na vertente de Escultura, em 2005. Depois de ter trabalhado com vários artistas internacionais e viajado pelo mundo, vai até ao Japão onde conclui o Mestrado de Escultura na Tama Art University, Tóquio, em 2012. Desde então tem vindo a expor em países como Portugal, Coreia do Sul, Japão, Tailândia, Irlanda. Participou em simpósios de escultura, recebendo prémios e o seu trabalho está disperso por coleções publicas e privadas, nacionais e internacionais.

Até dia 14 de março